Bem-vindo!
 
Publicidade
Publicidade
68 - Oscar 2014: Previsões Finais
por Pablo Villaça

Amigos do Cinema em Cena,

sempre digo que o Oscar é previsível – mesmo quando achamos que não será (o que ocorreu ano passado, quando falei que estava inseguro ao apontar minhas previsões e acabei acertando boa parte delas). Apontar quem vencerá nada tem a ver com cultura cinematográfica, faro jornalístico ou sorte, mas apenas com a observação cuidadosa da indústria: quais estúdios estão investindo mais em publicidade; quantos eventos foram produzidos para divulgar cada candidato (exibições com presença da equipe, festas, etc); quais foram os vencedores do DGA, SAG, PGA, WGA e de outras guilds?

Quem tem uma história interessante a ser contada caso vença? Matthew McConaughey está excepcional em Clube de Compras Dallas, mas igualmente importante é perceber como ele se afastou das comédias românticas rasas que dominaram boa parte de sua carreira e reconstruiu sua trajetória artística de cinco filmes para cá. Lupita Nyong’o é uma desconhecida que subitamente se transformou em indicada ao Oscar por um filme que lida com o mesmo racismo que prejudica boa parte dos atores em Hollywood.

E por aí afora.

Claro que é preciso levar em consideração um fator extra incrivelmente importante: a metodologia empregada pela Academia para contar os votos, que costuma prejudicar filmes que tendem a dividir o público (mesmo contando com o apoio de um grupo considerável) e a recompensar aqueles que atingem algum consenso. Neste sentido, ser colocado na segunda posição da célula de votação é incrivelmente importante – e não duvido que Trapaça esteja ocupando, por exemplo, boa parte das cédulas justamente nesta posição, o que pode beneficiá-lo. (Publiquei um post no blog sobre este sistema de votação.)

Dito isso...

Filme

Vai vencer: 12 Anos de Escravidão.

Explicando a escolha: Venceu prêmios importantes. É um filme importante. E incrivelmente bem realizado. Toca numa questão social que, racistas em negação à parte, permanece atual. Por outro lado, Gravidade é um trabalho revolucionário à sua própria maneira e alcançou bilheteria colossal, o que a Academia costuma levar em consideração – especialmente em seus esforços crescentes para soar “relevante” (seja lá o que signifique isso).

Qual seria meu voto: Ela.

Se vencer, eu mato um: Philomena.

 

Diretor 

Vai vencer: Alfonso Cuarón.

Explicando a escolha: Embora Gravidade seja admirado por muitos, a importância de 12 Anos de Escravidão tende a sobrepujar suas chances de vencer na categoria principal e, assim, o prêmio de Direção seria uma forma de dividir as honrarias – e com a vantagem de ainda fazer História ao celebrar o primeiro latino-americano a vencer nesta categoria. Por outro lado, Steve McQueen também faria História ao ser o primeiro negro vencedor como Melhor Diretor – e, considerando que seu filme tende a ganhar, isto pode beneficiá-lo. E, claro, eles podem dividir os votos e abrir espaço para o famoso “segundo colocado” que discuti mais acima, o que beneficiaria David O. Russell (ou, com menos chances, Alexander Payne ou Scorsese. Vá saber.). Mas acredito que Cuarón leva.

Qual seria meu voto: Cuarón, que empregou a falta de gravidade para criar uma narrativa inovadora em sua linguagem visual.

Se vencer, eu mato um: Gosto de todos os indicados, mas seria triste ver O. Russell premiado por imitar Scorsese.

 

Ator 

Vai vencer: Matthew McConaughey.

Explicando a escolha: Uma atuação espetacular que mantém o controle absoluto sobre a trajetória do personagem. E, além disso, um ator que se reinventou quando todos o consideravam descartável ou próximo do esquecimento. Sim, Bruce Dern conta com a vantagem de ser um veterano admirado (além de ter sido aquele quem fez campanha mais pesada durante os últimos meses, quando participou de inúmeras festas e eventos) e DiCaprio já foi excessivamente ignorado pela Academia, mas este ano parece mesmo ser de McConaughey.

Qual seria meu voto: McConaughey.

Se vencer, eu mato um: Gosto de todos.

 

Atriz

Vai vencer: Cate Blanchett.  

Explicando a escolha: Venceu tudo até agora. Está fantástica no filme. Detratadores de Woody Allen tentaram prejudicá-la apenas por associação ao diretor e isto tende a irritar a Academia.  

Qual seria meu voto: Blanchett.

Surpresa que não me desagradaria: Sandra Bullock (embora ela tenha vencido seu Oscar por uma atuação patética em um filme repugnante há apenas alguns anos).

Se vencer, eu mato um: Meryl Streep, que nem merecia ter sido indicada. (A não ser, claro, que o prêmio se chamasse – como apontou meu amigo Josh Ralske – “Mais Atuação” em vez de “Melhor Atriz”.)

 

Ator Coadjuvante 

Vai vencer: Jared Leto.

Explicando a escolha: Outro que venceu tudo até agora e ainda conta com a vantagem de viver um tipo de personagem trágico que a Academia adora. Aliás, só vejo uma pessoa capaz de derrubá-lo: Barkhad Abdi. Por quê? Ora, ele é pobre, se transformou de ator da noite para o dia, quase por acidente, e está ótimo no filme. Vê-lo diante dos milionários de Hollywood recebendo um Oscar seria um momento inesquecível.

Qual seria meu voto: Barkhad Abdi.

Se vencer, eu mato um: Gosto de todos.

 

Atriz Coadjuvante 

Vai vencer: Lupita Nyong’o.

Explicando a escolha: Se não é possível premiar Abdi, por que não premiar outra atriz desconhecida que rouba suas cenas em um filme impactante que aborda justamente a questão racial que torna sua indicação (e a de Abdi) tão surpreendente? Além disso, é estranho premiar 12 Anos de Escravidão como Melhor Filme e ignorá-lo em todas as outras categorias principais. Mas eu não ficaria surpreso caso Lawrence, a Menina-Fenômeno, vencesse.

Qual seria meu voto: June Squibb.

Se vencer, eu mato um: Julia Roberts ou Jennifer Lawrence (adoro esta última, mas, como argumentei na crítica, sua escalação me pareceu muito problemática em Trapaça).

 

Roteiro Adaptado 

Vai vencer: 12 Anos de Escravidão.

Explicando a escolha: Para compensar a falta do prêmio de Melhor Diretor. Seria estranho ter um Melhor Filme que não tivesse o Melhor Diretor nem o Melhor Roteiro.

Qual seria meu voto: Antes da Meia-Noite.

Se vencer, eu mato um: Não sou louco por Philomena, mas seu roteiro é competente e sou fã de Steven Coogan. Então... ok, nenhum me irritaria muito.

 

Roteiro Original 

Vai vencer: Trapaça.

Explicando a escolha: Eu quero apostar em Ela. Quero acreditar que a Academia reconhecerá o brilhantismo do filme. Mas Trapaça se beneficia do consenso que mencionei lá em cima e, como não deverá vencer nada mais importante, aqui seria a oportunidade de celebrá-lo. E isso seria frustrante – não porque seu roteiro é ruim (pois não é), mas porque relegaria o brilhantismo de Ela ao segundo plano.

Qual seria meu voto: Ela.

Surpresa que não me desagradaria: Por favor, Ela, vença.

 

Filme Estrangeiro 

Vai vencer: Alabama Monroe.

Explicando a escolha: Esta é uma categoria dificílima, este ano. A Grande Beleza foi universalmente celebrado e A Caça aborda um tema que não apenas é complexo, mas atual (vide Woody Allen). No entanto, este ano a Academia mudou as regras e todos podem votar nesta categoria sem a necessidade de comprovarem ter visto os cinco indicados. E Alabama Monroe é impactante demais, do ponto de vista emocional, para ser ignorado por quem o viu. Claro que estou contando com a possibilidade de muitos terem visto o filme, já que é mais provável que A Grande Beleza tenha sido visto pela maioria. Mas...

Qual seria meu voto: A Imagem que Falta, sem pensar duas vezes.

Surpresa que não me desagradaria: Gosto dos cinco indicados, mas A Imagem que Falta é infinitamente superior aos demais. Se não vencer, ficarei frustrado. Ficarei frustrado.

 

Animação 

Vai vencer: Frozen.

Explicando a escolha: Let it Go. (Mas lembrem-se de que Vidas ao Vento é a despedida de Miyazaki.)

Qual seria meu voto: Frozen. Mas ver Miyazaki vencer com seu filme de despedida seria um belo momento e não me irritaria.

Se vencer, eu mato um: Meu Malvado Favorito 2 é pavoroso. Que tenha sido indicado é uma vergonha. 

 

Fotografia 

Vai vencer: Gravidade.

Explicando a escolha: Emmanuel Lubezki nunca venceu um Oscar e é um dos melhores diretores de fotografia da atualidade. E seu trabalho em Gravidade é, como apontei em minha crítica, revolucionário. Também amo o trabalho de Roger Deakins (outro gênio jamais Oscarizado) em Os Suspeitos, mas... gravidade zero!

Qual seria meu voto: Gravidade.

Se vencer, eu mato um: Qualquer um além de Lubezki ou Deakins.

 

Design de Produção

Vai vencer: O Grande Gatsby.

Explicando a escolha: Chama atenção para si mesmo (e merecidamente, já que é co-responsável pelo sucesso narrativo do filme), é grandioso e estilizado na medida certa. Também sou encantado pelo universo criado em Ela, que sugere um mundo futurista, mas sempre plausível, e considero a recriação de 12 Anos de Escravidão belíssima. Trapaça flerta com a estilização excessiva, mas funciona, ao passo que Gravidade cria um ambiente sempre plausível e mesmo claustrofóbico – mesmo quando estamos fora das cápsulas (e aposto que Gravidade só foi indicado porque a Academia finalmente mudou o nome da categoria para Design de Produção, já que Direção de Arte parece resumir a atuação deste departamento aos cenários – o que está longe de ser o caso).

Qual seria meu voto: Ela.

Se vencer, eu mato um: Todos são bons candidatos.

 

Figurino 

Vai vencer: O Grande Gatsby.

Explicando a escolha: Por todos os motivos acima. A diferença é que aqui, sim, o excesso de estilização de Trapaça me impediria de votar em Michael Wilkinson.

Qual seria meu voto: O Grande Gatsby.

Se vencer, eu mato um: Eu entenderia até a vitória de Trapaça.

 

Montagem 

Vai vencer: Capitão Phillips.

Explicando a escolha: A briga fica entre Capitão Phillips e Gravidade. Acho que os dois estão praticamente empatados, mas como o filme de Paul Greengrass não vencerá mais nada, este talvez seja seu prêmio de consolação. E não será injusto.

Qual seria meu voto: Capitão Phillips.

Se vencer, eu mato um: Todos são excelentes trabalhos.

 

Maquiagem 

Vai vencer: Vovô Sem Vergonha.

Explicando a escolha: Quero deixar claro que errei na previsão acima, pois a Academia dificilmente terá coragem de premiar um filme da série Jackass – mesmo que o trabalho de envelhecimento tenha sido eficiente ao convencer até mesmo pessoas comuns que o viram ao vivo. Assim, Clube de Compras Dallas levará este prêmio por tabela, já que o fracasso comercial de O Cavaleiro Solitário também o torna inviável como vencedor.

Qual seria meu voto: Vovô Sem Vergonha. Deus do céu, eu escrevi isso.

Se vencer, eu mato um: Nhé.

 

 

Trilha Sonora 

Vai vencer: Gravidade.

Explicando a escolha: Serei honesto. Não faço a menor ideia de quem vai vencer e preciso chutar. E quando você tem que chutar, é sensato escolher aquele que tem maiores chances de acumular estatuetas ao longo da noite.

Qual seria meu voto: Ela.

Se vencer, eu mato um: Walt Disney nos Bastidores de Mary Poppins. Que, apesar do título brasileiro, não é um filme erótico.

 

Canção Original 

Vai vencer: Let it Go, de Frozen.

Explicando a escolha: Uma canção linda em um filme lindo e que, de quebra, virou meme.

Qual seria meu voto: Let it Go!

Se vencer, eu mato um: Let it Go tem que vencer. Simplesmente tem que vencer.

 

Som 

Vai vencer: Gravidade.

Explicando a escolha: Este anos, os prêmios técnicos irão todos para o filme de Cuarón. E a Academia, como um todo, não sabe votar muito bem em Som e Edição de Som, o que é lamentável.

Qual seria meu voto: Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum.

 

Edição de Som 

Vai vencer: Gravidade.

Qual seria meu voto: Gravidade.

 

Efeitos Visuais 

Vai vencer: Homem de Ferro 3. HA! PEGADINHA DO MALLANDRO! Claro que é Gravidade, jacu.

Qual seria meu voto: Gravidade.

Se vencer, eu mato um: Qualquer um que não seja Gravidade.

 

Documentário 

Vai vencer: A Um Passo do Estrelato.

Explicando a escolha: Gosto dos cinco candidatos (um pouco menos de Guerras Sujas, mas ainda assim gosto). Todos mereceriam o prêmio, mas The Act of Killing é o documentário do ano, apontando suas câmeras para um grupo de psicopatas e permitindo que estes exponham o grau de sua desumanidade sem filtro algum. E é justamente por isso que este filme não vai vencer – é pesado demais para o membro médio da Academia: o homem branco acima dos 60 anos. Este cara gosta é de histórias emocionantes, não deprimentes. Cutie and the Boxer é estrelado por um casal de asiáticos idosos, Guerras Sujas é sobre um tema que a Academia parece considerar batido e The Square é político e complexo demais para o gosto desse eleitor “Homer Simpson” (ei, William Bonner!). Sobrou o belo A Um Passo do Estrelato.

Qual seria meu voto: The Square.

Surpresa que não me desagradaria: Cutie and the Boxer.

Se vencer, eu mato um: Guerras Sujas é o que menos merece vencer.

 

Curta Documentário 

Vai vencer: The Lady in Number 6.

Qual seria meu voto: Vi apenas dois dos cinco indicados.

 

Curta Live Action 

Vai vencer: The Voorman Problem.

Qual seria meu voto: Vi apenas um dos indicados.

 

Curta Animação 

Vai vencer: Get a Horse, que foi exibido antes de Frozen é uma experimentação fantástica com a linguagem 3D, com frame rate, razão de aspecto, cores e com o design dos personagens.

Qual seria meu voto: Get a Horse.

 

Um grande abraço e bom Oscar!

Conversa de Cinéfilo: Visita a um Cinéfilo Profissional
por Pablo Villaça

Ivan Valença tinha 20 anos de idade quando ocorreu o golpe militar no Brasil. Embora jovem, já era o veterano responsável pela redação da Gazeta de Sergipe, na qual trabalhava desde os 13 anos, quando teve que preparar a manchete de capa sobre a decretação do AI-1, Ato Institucional que cassava os direitos políticos daqueles que se opunham aos militares. Sem hesitar, Valença fez a chamada anunciando o “Ato Inconstitucional 1”. Antes que o jornal chegasse às ruas, porém, o major responsável por supervisionar a publicação protestou, aos berros, afirmando que o novo governo não tinha obrigação de acatar a Constituição, cuja suspensão constava do ato.

- Obrigação vocês têm. – respondeu o jovem jornalista em tom irônico. – Os senhores não querem, o que é bem diferente.

Este despojamento de Ivan Valença não diminuiu com a idade. Quando cheguei à sua casa, em Aracaju, fui recebido por um senhor sem camisa e de chinelos que, descendo as escadas para me encontrar, foi imediatamente provocado pelo antigo discípulo Cristiano Leal (e agora professor de disciplinas relacionadas ao Cinema na UNIT de Sergipe), que me levara até lá para conhecê-lo.

- Isso é jeito de receber o convidado que eu trouxe, Ivan?

- Ah, marginal, daqui a pouco eu coloco a camisa! – riu o dono da casa, que voltaria a se referir ao velho pupilo como “marginal” mais uma dúzia de vezes durante a visita.

Em mais alguns minutos, eu entrava no escritório do jornalista a fim de conhecer o que me levara até ali: um acervo de referência impressionante sobre Cinema que Valença vem construindo há cerca de 60 anos.

Dominado por pastas, envelopes, recortes de revistas e jornais, DVDs, fitas de VHS e monitores de computador, o aposento no andar superior da casa é o pesadelo de qualquer alérgico e o sonho molhado de todo cinéfilo: metodicamente organizados nos milhares de envelopes que ocupam cada centímetro das estantes que percorrem as paredes de alto a baixo estão recortes de críticas de filmes e de artigos sobre artistas de todo o mundo. Curioso para saber qual foi a reação da crítica na época do lançamento de Bonnie & Clyde, Manhattan, A Hora da Estrela ou Titanic? Basta buscar, por ordem alfabética, o envelope correto na estante e ler o que os principais críticos brasileiros, europeus e norte-americanos escreveram. Interessado em saber o que já foi escrito sobre Kurosawa, Rita Hayworth ou Sônia Braga em jornais e revistas como O Estado de São Paulo, Studio e Premiere? Simples: busque-os, também em ordem alfabética, nos respectivos envelopes ou, caso ainda não esteja satisfeito, digite o nome em questão no programa criado especialmente para Valença há vários anos e descobrirá o título da publicação que contém a matéria relevante, bem como a edição e a página precisas em que o artista foi mencionado. A partir daí, é só buscar a revista no quarto que fica nos fundos da casa do jornalista e que abriga suas coleções de livros e revistas, incluindo todas os volumes da Variety e da Cahiers du Cinéma.

Ao todo, o acervo de Ivan Valença traz informações sobre mais de cem mil filmes e artistas.

Agora com 70 anos de idade, o aplicadíssimo cinéfilo começou seu obsessivo hobby aos 10 anos de idade, quando, levado ao cinema toda semana pela mãe, passou a se interessar por filmes e a rabiscar suas primeiras impressões sobre o que via. Auxiliado no início pelo amigo Simõezinhos, que mesmo depois de se mudar para o Rio de Janeiro a fim de assumir um cargo no Banco do Brasil continuaria a enviar pelo correio revistas para o antigo companheiro, Valença recortava cuidadosamente as críticas que lia e as separava em envelopes dedicados para cada longa-metragem assistido. Sessenta anos depois, sua metodologia não mudou muito – e ver tudo que ele acumulou ao longo dos anos é testemunhar a materialização de um profundo amor pelo Cinema.

-----------------------------------

O jornalismo, no entanto, não foi exatamente a primeira opção profissional de Ivan Valença: filho de um dono de funerária, o pequeno Ivan começou a trabalhar com o pai aos 11 anos de idade. Contudo, ainda que gostasse da oportunidade de paquerar as meninas que encontrava nos enterros, passar a vida ao lado dos mortos não era uma perspectiva das mais atraentes.

Foi quando, levado por um amigo, passou a frequentar as redações dos jornais locais de Aracaju, que, publicados semanalmente, traziam apenas quatro ou cinco páginas. Não demorou muito até que começasse a publicar breves textos na Gazeta Socialista sobre os filmes que chegavam à cidade, chegando a atrair a atenção do principal crítico local, Alberto Carvalho, que ao encontrá-lo pela primeira vez surpreendeu-se ao descobrir que o novo colega tinha apenas 13 anos de idade – o que não o impediu de estimular o garoto a continuar na profissão. “E aí acabou-se”, relembra o jornalista, empregando uma frase recorrente em sua fala e que surge quase como pontuação de seus relatos.

Com a transformação da publicação em um jornal diário, quando foi rebatizado como Gazeta de Sergipe, Valença foi convidado pelo editor Pascoal Maynard para “tomar conta da redação” na parte da tarde, ao sair da escola, atendendo o telefone e anotando recados. Para isto, ganharia 5 milhões de cruzeiros mensais – a metade do que recebia do pai para ajudá-lo na funerária. No terceiro dia de trabalho, porém, aconteceu algo que sedimentaria definitivamente o interesse do menino pelo jornalismo: sozinho na redação ao receber a informação de que um acidente de carro acontecera na cidade (o que era notícia na época), Ivan correu para o local do desastre e, na mesma noite, depositou uma matéria na mesa de Maynard. Impressionado com a iniciativa e com o texto do garoto, o editor tomou uma decisão impulsiva e o escalou para cobrir a Câmara de Vereadores diariamente.

Longe de se intimidar, o repórter mirim passou a escrever matérias que não poupavam os políticos locais, o que culminou no curioso momento, em 1958, envolvendo um influente radialista sergipano que, sentindo-se ofendido pelo texto publicado na Gazeta, subiu à tribuna da Câmara para fazer um discurso inflamado contra o jornalista que o atacara.

Jornalista este que tinha apenas 14 anos de idade e, sentindo as cusparadas disparadas da tribuna pelo nervoso locutor, imediatamente abriu um guarda-chuva para se proteger, provocando tamanha comoção que o então presidente da câmara, João Bezerra, viu-se obrigado a encontrar um novo lugar para o jovem e irreverente correspondente. Menos de três anos depois, quando Maynard adoeceu e se viu obrigado a se afastar da redação, seu pupilo Ivan Valença, então com 16 anos, assumiu o comando do dia-a-dia do jornal. “Eu não estava sozinho”, recorda ele. “Eu tinha outros amigos trabalhando lá: José de Oliveira Neto, Renato Chagas, Macepa – que certa vez bebeu tanto que, no dia seguinte, descobriu que não sabia onde havia deixado o carro, que levou dias para ser localizado -, mas eu basicamente comandava a redação”.

Uma posição que se tornou oficial quando o então dono do jornal, um rico usineiro que vivia fora da cidade, o chamou para uma conversa sobre o futuro da publicação na qual Valença permaneceria por mais nove anos, deixando a Gazeta em primeiro de janeiro de 1970. Pouco depois, ao lado de um amigo, ele fundaria o Jornal da Cidade, primeiro de Sergipe a empregar composição a frio e impressão em offset. “No dia em que receberíamos as máquinas da IBM, um de nossos sócios, que pagaria por elas, morreu de repente.”, conta o jornalista. Depois de alguns segundos de silêncio - e com o tom informal que emprega durante toda a conversa, Ivan completa, quase como para si mesmo: “Eu era doido pra namorar a filha dele”.

A situação foi contornada, felizmente, quando a IBM ofereceu um prazo de seis meses para o pagamento do maquinário. “Quando chegou a época, já tínhamos dinheiro de sobra. E aí acabou-se.” Eventualmente, ele sairia do jornal que ajudou a fundar por ter alguns desentendimentos com o sócio, passando os anos seguintes em empreitadas diversas, abrindo uma gráfica e dirigindo, por quatro anos, a Imprensa Oficial de Sergipe.

-----------------------------------

O Cinema, no entanto, jamais deixou de ser seu grande amor – e, além de manter seu acervo de recortes de críticas e artigos, Valença visitaria o Festival de Cannes em três ocasiões.

- Certa manhã, saí do hotel mixuruca no qual eu ficava para ver a versão integral de 1900, do Bertolucci. Eram umas sete da manhã e, de repente, vejo a Jane Fonda andando sozinha pela rua e ajeitando os seios por baixo da blusa. Eu contava isso pra todo mundo, mas ninguém acreditava. “Mentira, ela não anda sozinha!”, eles diziam. E eu respondia: “Ora, perguntem a ela se não foi mesmo?!”.

Por volta desta mesma época, Ivan se tornou consultor da Mundial Filmes e, numa visita a uma feira em Milão, viu algo que o levaria ao delírio: um videocassete. De volta ao Brasil, ele não conseguia parar de pensar no aparelho que permitia que cinéfilos assistem aos filmes na tevê de casa e finalmente procurou um conhecido “importador” local (atenção para as aspas), João Muamba, que se ofereceu para trazer o eletrônico pela bagatela de dois mil dólares. “No final, consegui juntar mais cinco amigos interessados e os videocassetes saíram por 1.500 dólares cada”, lembra ele.

O problema agora era conseguir os filmes. Para isso, Valença fez um acordo com Ronald Suplicy, dono do pioneiro Video Clube do Brasil, em São Paulo: todo sábado, um pacote de dez filmes era enviado da capital paulista à sergipana e devolvido na semana seguinte, quando uma nova remessa era despachada. Foi então que um empresário de Recife, que vinha copiando os filmes do Video Clube do Brasil, ofereceu a Ivan um acordo mais barato. Aliás, a estratégia do pernambucano para evitar ser preso pela locação das cópias sem permissão era curiosa: para filiar-se ao seu videoclube, os sócios tinham que entregar quatro fitas virgens que, então, eram usadas para gravar novos títulos e adicionadas ao acervo. “Se eu for preso, todos os sócios também serão”, ele explicava. Sem ter como prender 200 pessoas pelo aluguel de filmes – uma prática ainda nova no Brasil -, a polícia passou a se fazer de cega para as atividades do sujeito.

E logo Ivan Valença repetia a tática e abria o primeiro videoclube de Aracaju: “Eu tinha 25 filmes e abri o negócio no meu escritório de composição gráfica, pois não achei que alguém apareceria. Eu pensava que ninguém tinha videocassete na cidade. Em uma hora, todas as fitas haviam sido retiradas e eu fui obrigado a pedir que as pessoas voltassem no dia seguinte”.

(Alguns anos depois, aliás, Valença conheceria Cristiano Leal - o professor universitário que me apresentaria a ele -, quando o então adolescente apaixonado por Cinema passou a frequentar sua locadora embora não tivesse videocassete em casa. “Ele me disse ‘Quem não bebe, cheira o copo’ e eu nunca me esqueci disso”, conta Leal.)

A locadora duraria mais de 20 anos, sendo finalmente encerrada quando a pirataria começou a tornar o negócio inviável. “Alguns dos sócios originais ainda vieram cobrar as fitas VHS que tinham entregado quando abri o videoclube”, Valença relembra, entre risos. “E aí acabou-se.”

-----------------------------------

Admirador de críticos celebrados como Antônio Muniz Viana e Hamilton Correia, Ivan Valença não se considera um crítico particularmente bom, explicando que por isso não inclui seus próprios textos nos envelopes arquivados em seu escritório. Isto, porém, não diminui sua paixão incondicional pelo Cinema: estimando ter visto cerca de 26 mil filmes ao longo de seus 70 anos de cinefilia, ele não só continua a escrever colunas sobre a Sétima Arte como ainda já se arriscou consideravelmente por ela. Em 1985, por exemplo, quando o Brasil celebrava seu primeiro presidente civil após duas décadas de Ditadura e, com isso, o fim da censura, uma controvérsia iniciada pelos religiosos brasileiros reabriu as cicatrizes daqueles que achavam que o país agora respiraria liberdade: pressionado pela Igreja, o então presidente Sarney decidiu proibir a exibição do francês ‘Je vou salue, Marie’, de Godard, em todo o território nacional.

“Na mesma hora, decidi que ia passar o filme para o público”, diz Valença.

Para cumprir o arriscado objetivo, ele entrou em contato com os estudantes do diretório de uma universidade de Aracaju e, com uma cópia do filme contrabandeada do Rio de Janeiro, marcou uma sessão em um auditório do campus. Com a sala lotada de jovens, Ivan iniciou a projeção e, minutos depois, foi abordado por dois agentes da Polícia Federal. “Eles me mandaram entregar a cópia. E eu falei que entregaria, mas para isso precisaria interromper o filme e não seria responsável pela reação dos estudantes”.

Contrariados, os policiais ordenaram que o jornalista entregasse a fita (a projeção era de uma cópia em VHS) assim que a sessão terminasse. “Falei que entregaria. Depois, fui direto até a cabine e avisei o rapaz que estava cuidando da projeção para não me passar a fita, mas entregá-la para o pessoal do diretório. Quando o filme acabou, os caras da Polícia Federal foram comigo até a cabine e ouviram o menino dizer que a fita ‘já tinha ido embora’”.

Irritados, os agentes conduziram Valença até sua casa e iniciaram uma busca intensa por todos os aposentos. Frustrados por não encontrarem a cópia do filme, já que desconfiavam de que esta havia sido deixada ali pelos estudantes, acabaram confiscando dez fitas virgens do videoclube do jornalista com a intenção de usá-las como indicio de contrabando, abrindo um inquérito contra ele. Chamado para depor, Ivan fez valer a estratégia que aprendera com o companheiro de Recife:

- As fitas não são minhas, delegado. São dos sócios do videoclube que as entregaram quando se filiaram.

E então passou os nomes dos sócios em questão: o irmão do governador de Sergipe, o filho do prefeito de Aracaju e alguns ricaços locais.

O inquérito foi encerrado.

- E eles nunca descobriram onde eu havia escondido o filme – ri Ivan, ainda se divertindo com a memória. – Eu tinha avisado a empregada para enfiá-lo num saco plástico e colocá-lo na caixa d’água. Foi um dos poucos lugares que eles não remexeram.

-----------------------------------

Entusiasmado com tantos casos, com o jeito simpático de Ivan Valença e, principalmente, com aquele acervo magnífico que me cercava, decidi que era hora de parar de incomodar meu anfitrião e encerrar a visita. Antes, porém, uma última pergunta: o que ele pretende fazer com todo aquele riquíssimo material depois de tantas décadas dedicadas a coletá-lo?

- Ana, com quem sou casado há 40 anos, quer doar tudo para um museu. Ela reclama da sujeira que eu faço, da bagunça toda que eu apronto aqui.

Comento que a preservação de toda aquela coleção é, de fato, algo importante e que merece atenção. E, então, sou surpreendido pela prova final do despojamento daquele homem dono de histórias tão ricas e, ao mesmo tempo, de um jeito tão simples:

- Que nada. É importante só para mim, que passei a vida toda me dedicando a isso. Não acho que os outros vão se importar.

E arremata:

- Já disse a Ana que, quando eu morrer, ela pode jogar tudo fora. Eu não vou me importar.

Embora discordando radicalmente de sua posição, não deixo de me encantar mais uma vez com sua postura serena diante do destino do trabalho de toda uma vida. Feliz por ter conhecido um companheiro de cinefilia tão dedicado, aperto sua mão e digo que foi uma honra conhecê-lo. Ele nos leva até o portão, agora vestindo uma camisa que se mantém completamente aberta, e comenta que ainda precisa recortar os artigos de uma revista que recebera naquela amanhã.

Afasto-me impressionado com sua energia. E aí acabou-se.

« Posts anteriores Posts recentes »

Últimas Atualizações

Variedades

    Publicidade

    Agora!