Bem-vindo!
 
Publicidade
Publicidade
O Quarto do Pânico
(Panic Room)
112 min - Ação - 2002 (Estados Unidos)
Data de Estreia no Brasil: 07/06/2002
Data de Estreia Original: 29/03/2002
Depois que um trio de bandidos invade sua residência, uma mulher se esconde com a filha em um quarto secreto construído especialmente para situações de emergência. Enquanto vigia os intrusos através de um sistema de circuito fechado, ela deve enfrentar graves problemas que surgem dentro e fora de seu pequeno refúgio.
 

Crítica

por Pablo Villaça

Dirigido por David Fincher. Com: Jodie Foster, Forest Whitaker, Jared Leto, Kristen Stewart, Dwight Yoakam, Patrick Bauchau, Ann Magnuson e Nicole Kidman.

David Fincher provou, em seus últimos trabalhos (Se7en, Vidas em Jogo e Clube da Luta), ser totalmente capaz de aproveitar ao máximo o potencial de roteiros complexos e ambiciosos. Restava saber apenas se o cineasta também conseguiria criar bons filmes a partir de premissas mais simples, que dependessem mais do relacionamento entre personagens do que de tramas cheias de reviravoltas. Pois O Quarto do Pânico acaba de esclarecer a questão: contando com um roteiro apenas adequado, Fincher criou mais uma obra capaz de deixar o espectador com os nervos à flor da pele.

Escrita por David Koepp (de O Homem-Aranha e também do excepcional O Pagamento Final), a história gira em torno de Meg (Foster), uma mulher recém-divorciada que se muda com a filha (Stewart) para um casarão localizado em plena Manhattan. Antes habitado por um milionário excêntrico, o lugar conta com um `quarto do pânico`: um aposento blindado construído para servir de esconderijo em casos de emergência. E já em sua primeira noite depois da mudança, Meg é obrigada a utilizá-lo quando três ladrões invadem a casa. O problema é que eles estão à procura de algo que se encontra escondido justamente no tal quarto – e, assim, mãe e filha enfrentam um impasse: sair do abrigo para que os bandidos possam deixá-las em paz ou ali permanecer e sofrer as conseqüências?

Desde o primeiro minuto de projeção, o espectador pode perceber claramente que está assistindo a um filme de David Fincher, já que, como de hábito, o diretor começa a estabelecer o clima da história durante os créditos iniciais: aqui, vemos os nomes dos integrantes do elenco e da equipe técnica pairando sombriamente sobre os prédios de Nova York. A partir daí, o cineasta utiliza todos os recursos imagináveis para arrebentar os nervos da platéia: tomadas em câmera lenta; seqüências em que vemos os ladrões conversando, mas não podemos ouvir o que estes dizem; e, é claro, vários movimentos de câmera (criados com a ajuda de computadores) absolutamente incríveis, quando `viajamos` pelos aposentos e até mesmo por dentro das paredes do casarão – algo que Fincher já havia feito com grande sucesso em Clube da Luta e que também funciona em O Quarto do Pânico, ajudando o espectador a conhecer o cenário e também aumentando a tensão em determinados momentos (como na cena que envolve a passagem de gás por um cano). No entanto, o diretor também acaba exagerando em algumas ocasiões, utilizando estas tomadas `subjetivas` sem justificativas plausíveis (a não ser pelo efeito estético), como no momento em que a câmera `mergulha` na lâmpada da lanterna que Sarah está piscando.

Já o roteiro de David Koepp é hábil ao transformar uma situação aparentemente simples em um complicado jogo de gato-e-rato: o mais interessante em O Quarto do Pânico é observar os personagens de Forest Whitaker e Jodie Foster tentando adivinhar o que o outro fará em seguida e procurando frustrar os planos do adversário. Além disso, Koepp insere novos obstáculos na trama, jamais permitindo que a história caia na monotonia. Em contrapartida, o roteiro também possui falhas graves: no início do filme, por exemplo, percebemos que Meg parece sofrer de claustrofobia, mas isso é simplesmente esquecido no decorrer da projeção (o mesmo vale para os tais sensores que impedem o fechamento da porta do `quarto do pânico`, que não desempenham função alguma na trama). E mais: como é que nenhum dos vizinhos de Meg percebe a barulhada que os ladrões fazem enquanto tentam quebrar as paredes da casa? Para completar, o final concebido por Koepp é súbito demais, resultando em um anti-clímax que deixa a platéia frustrada.

Problemas de roteiro à parte, o fato é que O Quarto do Pânico ainda traz atuações inspiradas de todo o elenco – em especial, de Whitaker e Foster, que conferem grande energia aos personagens, transformando-os em oponentes fascinantes. Whitaker, em especial, transforma Burnham (o ladrão que interpreta) em uma figura quase trágica, já que este é um homem de boa índole que se viu arrastado para o crime por uma questão meramente circunstancial, e que agora não sabe como agir. Enquanto isso, Foster demonstra mais uma vez que é uma das melhores atrizes de Hollywood, criando uma personagem que supera a própria fragilidade quando confrontada por uma situação desesperadora.

Depois de criar um dos melhores filmes policiais das últimas duas décadas, Se7en – Os Sete Crimes Capitais, Fincher fez de O Quarto do Pânico um suspense superior, que certamente faria Hitchcock ficar orgulhoso (caso este roteiro fosse produzido nas décadas de 40, 50 ou 60, não consigo imaginar diretor melhor do que o responsável por Festim Diabólico e Janela Indiscreta, que também contavam histórias situadas em um único cenário). Aliás, há uma tomada neste filme que é uma homenagem/referência evidente a Frenesi, penúltimo trabalho do Mestre de Suspense: no momento em que ouvimos Meg e Sarah gritando por ajuda, a câmera se afasta em direção à rua, demonstrando que os gritos estão sendo encobertos pelo som da chuva – algo parecido com o que Hitchcock fez naquele filme, quando sua câmera recuava durante um assassinato, evidenciando que todas as pessoas que passavam em frente ao local do crime não faziam a menor idéia do que estava ocorrendo ali.

Mais um momento inspirado de David Fincher, um jovem cineasta que provavelmente ainda nos trará muitas alegrias – ou ansiedade, como queiram.

(Curiosidade: em certo momento do filme, Meg liga para o ex-marido e acaba conversando rapidamente com a namorada do sujeito. Caso você reconheça a voz da garota, não se surpreenda: é uma participação rápida de Nicole Kidman, que originalmente iria protagonizar o filme, mas que foi obrigada a abandonar o projeto por motivos de saúde.)

``

26 de Maio de 2002

Comentários

comments powered by Disqus
Publicidade

Redes Sociais

Filmes Relacionados

Variedades

    Publicidade

    Agora!