Bem-vindo!
 
Publicidade
Publicidade
Eragon
(Eragon)
104 min - Drama - 2006 (Estados Unidos)
Data de Estreia no Brasil: 25/12/2006
Após se tornar um grande cavaleiro, o jovem Eragon é levado para um mundo de fantasia e poder, descobrindo que sozinho ele pode salvar - ou destruir - um Império. Baseado no best-seller de Christopher Paolini.
 

Crítica

por Pablo Villaça
Dirigido por Stefen Fangmeier. Com: Edward Speleers, Jeremy Irons, Sienna Guillory, Robert Carlyle, John Malkovich, Djimon Hounsou, Christopher Egan, Garrett Hedlund, Alun Armstrong e a voz de Rachel Weisz.

             Há muito tempo, numa Terra-média muito, muito distante...
             (Tema de John Williams.)

Dragon Wars: Episódio IV
- Uma Nova Esperança

Alagaësia está mergulhada na Escuridão.
Depois de um longo tempo de paz proporcionado
pela vigília constante dos Cavaleiros Jedi,
o poder foi tomado pelo traiçoeiro Imperador
e praticamente todos os Jedi foram exterminados –
e os que restaram vivem escondidos ou se uniram aos Rebeldes.

Morando com o tio depois de ser abandonado
pela mãe que mal conheceu, o jovem Eragon Skywalker
inesperadamente descobre ser um herdeiro dos tradicionais
Cavaleiros Jedi e passa a receber a orientação de um antigo
membro desta Ordem, o sábio Brombi-Wan Kenobi.

Piloto habilidoso, Skywalker utiliza sua máquina voadora
a fim de tentar derrubar o Imperador, que coloca em seu encalço
o seu principal seguidor, o poderoso Darth Durza.
Perseguido por milhares de stormtroopers, Luke decide
enfrentar Durza Vader e resgatar a bela Princesa Arya Leia...

O norte-americano Christopher Paolini escreveu seu primeiro livro, Eragon, aos 15 anos de idade, depois de passar a maior parte da vida sendo educado em casa pelos pais, que não acreditavam que uma escola tradicional seria suficientemente boa para o garoto. Assim, não é de se espantar que estes orgulhosos pais tenham bancado a publicação independente da obra do menino – o que espanta é que esta tenha se tornado um sucesso tão grande. Na realidade, devo confessar que não li Eragon (e nem pretendo), mas, a não ser que sua adaptação para o Cinema tenha alterado completamente a trama concebida por Paolini, é justo supor que o rapaz não seja um candidato promissor para se unir à lista de gênios precoces como Ibsen (21 anos) ou Graham Greene (22).

Basicamente mergulhando a trama de Star Wars no universo de J.R.R. Tolkien, Eragon traz anões, elfos, humanos, dragões, feiticeiros e Vaders (ops... Vardens) envolvidos em incidentes que são um verdadeiro bê-á-bá do gênero fantasia: há a cena em que o herói questiona seu destino (“Eu não pedi nada disso!”), é assegurado por seu tutor de que tem uma grande responsabilidade (“Você foi o escolhido!”), passa por um treinamento a fim de desenvolver seus poderes (antes, ele precisa aprender “a antiga língua dos elfos”), perde alguém importante, luta para superar as próprias inseguranças e por aí afora. Infelizmente, até mesmo estas etapas básicas são prejudicadas pela condução frágil da narrativa, que, em vez de se preocupar em retratar com cuidado o processo de amadurecimento e fortalecimento de seu protagonista, demonstra maior interesse nas cenas de ação, passando rapidamente pelas lições ensinadas pelo velho Jedi Brom (Jeremy Irons, num papel típico de Liam Neeson). Assim, subitamente o jovem Eragon torna-se um guerreiro invejável e mostra-se capaz de invocar complexas magias – e até mesmo o crescimento de seu dragão ocorre aos saltos: Saphira (que tem a voz serena de Rachel Weisz) torna-se adulta num passe de mágica e, depois de muito alarde sobre “ainda não ser madura o bastante”, passa a cuspir fogo no momento mais conveniente da história.

É claro que esta rapidez excessiva no desenvolvimento dos personagens provavelmente se deve ao roteiro de Peter Buchman, que condensa as mais de 400 páginas do livro de Paolini em um filme de pouco mais de 90 minutos de duração. Ainda assim, o esquematismo e a falta de originalidade da trama são problemas impossíveis de superar – e os diálogos afetados (“Eu sofro sem minha pedra. Não prolongue meu sofrimento.”) não ajudam na tarefa. Além disso, o roteirista simplesmente ignora qualquer lógica interna da história, não se esforçando para explicar, por exemplo, como Brom Kenobi conseguiu chegar tão rapidamente à fortaleza de Darth Durza (Robert Carlyle, idêntico ao Grima Língua-de-Cobra de Brad Douriff em O Senhor dos Anéis) ou por que o Imperador Galbatorix (Malkovich, hilário) simplesmente não destruiu o ovo de dragão enquanto este se encontrava em seu poder.

Enquanto isso, o diretor estreante Stefen Fangmeier segue os passos sem originalidade do jovem escritor e copia vários planos concebidos por Peter Jackson ao longo da trilogia inspirada em Tolkien – especialmente os inúmeros planos aéreos que mostram os heróis cavalgando no alto de montanhas (e quando digo “inúmeros”, não estou exagerando: há um deles a cada dez ou quinze minutos de projeção). E se o ataque ao esconderijo dos Vaders (Vardens! Vardens!) não levar o espectador a gritar “Abismo de Helm!”, é porque... bom, a comparação com a fabulosa seqüência de As Duas Torres seria ofensiva ao filme de Jackson.

Acertando ao menos na concepção digital do dragão Saphira (afinal, Fangmeier trabalhou com efeitos visuais por toda a carreira), Eragon ainda termina de maneira frustrantemente aberta, negando ao público várias respostas importantes e indicando a clara intenção dos realizadores de produzir uma ou mais continuações (Paolini, o prodígio, já lançou mais um livro e está escrevendo o terceiro). Ao que parece, vem aí O Império Contra-Ataca: A Sociedade do Dragão.

22 de Dezembro de 2006

Comente esta crítica em nosso fórum e troque idéias com outros leitores! Clique aqui!

Comentários

comments powered by Disqus
Publicidade

Redes Sociais

Filmes Relacionados

Variedades

    Publicidade

    Agora!